Artigos, Bispos › 17/07/2020

O dízimo

Iniciada por Jesus e presente neste mundo, a Igreja é peregrina a caminho do reino definitivo na glória do céu.

Enquanto caminha neste mundo, ela carece de bens temporais para exercer sua missão que é anunciar o Evangelho a todos os recantos do mundo e culturas.

Evangelizar é anunciar Jesus Cristo às pessoas com a realidade do Reino de Deus já presente no meio de nós como uma semente ou um fermento que tudo transforma. Para sustentar a Igreja, com suas comunidades, escolhemos o dízimo como o melhor instrumento na missão evangelizadora. Como batizados, formamos a Igreja e somos chamados a contribuir com o dízimo, conscientes de que todos somos evangelizadores e fazemos bem a nossa parte.

Anualmente, durante o mês de julho, a Igreja no Brasil retoma a motivação e a formação sobre o sentido bíblico do dízimo e como um instrumento de imenso valor na superação do individualismo e na promoção da pastoral das comunidades. No Documento de Estudos sobre o Dízimo, os Bispos afirmam que: “O dom é feito a Deus, que dele não necessita, mas com o sentido de socorrer as necessidades da comunidade, em termos de culto, de manutenção de serviços apostólicos e de socorro aos irmãos mais necessitados” (Cf. Est. 8, pp. 54 – 55).

Para que a Pastoral do Dízimo alcance a sua finalidade integral na evangelização, é oportuno lembrar os cinco fundamentos: 1º) É expressão de fé; 2º) É uma opção consciente; 3º) É uma partilha generosa; 4º) É uma contribuição estável; 5º) É uma contribuição periódica.

Na certeza de que estamos convencidos de que o dízimo é necessário e é fruto da comunhão e da convivência com Deus e com os irmãos, fazemos a Oração do Dizimista:

“Pai santo, contemplando Jesus Cristo, vosso Filho bem amado que se entregou por nós na cruz, e tocado pelo amor que o Espírito Santo derrama em nós, manifesto, com esta contribuição, minha pertença à Igreja, solidário com sua missão e com os mais necessitados.

De todo o coração ó Pai, contribuo com o que posso: recebei, ó Senhor! Amém”.

Dom Hélio Adelar Rubert – Arcebispo de Santa Maria