Artigos, Bispos › 24/02/2022

O perigo da hipocrisia

O Evangelho, Palavra viva de Jesus, deve ser para nós cristãos o princípio norteador de nossas vidas. O cristianismo não é um código de moral, fundado em determinar o que se pode e o que não se pode fazer. As exigências morais e práticas para a vida de um cristão estão, de certa forma, indicadas nas palavras e nas atitudes de Jesus. Ele será sempre o inspirador de nossas ações práticas de cada dia. É olhando e seguindo os passos de Jesus que vamos aprender a agir nas circunstâncias específicas do dia a dia.

A Liturgia da Palavra deste Domingo nos lembra que o cumprimento da Lei de Deus deve vir “de dentro”. Os ensinamentos de Nosso Senhor sempre nos colocam em uma atitude de crise: há sempre uma exigência de conversão, de mudança, de maior entrega. A fé cristã jamais será amortecedora das consciências. O Senhor sempre nos desafia para uma maior generosidade.

A 1a Leitura deste Domingo (Eclesiástico 27,5-8) nos ensina de que forma Deus se revelou e de que forma o homem também se revela aos demais. A Revelação de Deus se deu através de suas obras e de sua Palavra. O ser humano também se manifesta através de suas obras, do seu agir e através de sua palavra. A verdadeira sabedoria será aquela de medir nossas ações e palavras para descobrir se estão ou não segundo a vontade de Deus. O princípio filosófico do “nosce te ipsum” (conhece-te a ti mesmo) para nós cristãos produz o efeito de aumentarmos a nossa confiança em Deus e contarmos sempre mais com sua Graça.

Na 2a Leitura (1a Coríntios 15,54-58) escutamos as palavras do Apóstolo São Paulo, que nos ensina sobre a nossa vitória sobre a morte e o pecado. Esta vitória faz parte do projeto de Deus que quer manifestar em quem ela está fundamentada: na vitória de Cristo. Nada e ninguém neste mundo podem nos tirar da firmeza inabalável de fundamentar nossa vida em Cristo e com Ele sermos também nós vencedores.

O Evangelho (Lucas 6,39-45) nos ensina que Jesus nos tira da cegueira de pretendermos guiar nossas vidas por nós mesmos, por nossas próprias opiniões e simples valores humanos. É a luz da fé em Jesus que deve sempre guiar nossos passos. Além disso, o trecho do Evangelho nos ensina a sermos leais com nossos irmãos, especialmente no que se refere a possíveis erros em suas vidas. Nosso Senhor nos ensina a maldade da crítica destrutiva, que cega aquele que critica o irmão, vendo o cisco no olho do outro e deixando de ver a trave que se tem na própria vista.

Jesus nos ensina a ser bons com os demais, ou seja, a sermos justos e a superarmos a atitude farisaica de criticar os outros e fechar os olhos para os próprios defeitos, quase sempre muito maiores do que aqueles que farisaicamente criticamos nos demais.

Nossa participação na Eucaristia nos dá sempre forças para vivermos um cristianismo a partir “de dentro”, enraizado em nossa vida, que nos leva a ter atitudes inspiradas na palavra do Senhor.

Dom Antonio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen