Artigos, Bispos › 14/05/2021

O rosto

O momento atual favorece o atiçamento de ódios e a disseminação de preconceitos e crendices. Tal situação está ancorada na tendência de setores da sociedade em negar a importância do rosto.

Não se pode, porém, esquecer que nos reconhecemos contemplando o próprio rosto e o rosto do outro. O rosto alheio informa sobre o rosto do outro, mas também sobre nós mesmos.

Num tempo em que somos exortados a cobrir o rosto com uma máscara, corre-se o risco de habituar-se a caminhar isolados uns dos outros, sem reconhecer-se na própria identidade. Vale recordar que antigamente era proibido por lei cobrir o rosto em público; agora somos proibidos de descobri-lo.

Contudo, somos convidados a nos colocar em movimento, a estar com as pessoas, ouvi-las, colher sugestões que a realidade oferece para melhor reconhecer a nós e aos demais.

Sabemos que notícias, informações e imagens podem, por infinitas motivações, ser facilmente manipuláveis. Não se trata de demonizar o instrumental usado para tanto, mas tornar presente a necessidade de resgatar o lugar da verdade e a dignidade de todos os envolvidos, pois, em jogo, está sempre uma identidade, um rosto.

O rosto do outro me interpela. Por isso, não se pode ignorar as situações cotidianas envolvendo pessoas, possuidoras de uma identidade, de rosto. Ir ao encontro do outro, ver e deixar-se ver para então compartilhar o encontrado e o visto, é algo decisivo para o convívio social sadio e harmonioso.

Os elementos oferecidos pelo tempo presente e a inspiração cristã que caracteriza a cultura ocidental, nos impulsionam a resgatar a dignidade e a nobreza do rosto humano, e sua importância, por exemplo, para a comunicação no convívio social.

A experiência cristã pode ser descrita como uma história de encontros, de rostos que convergem, marcados pelo desejo de comunicar.

Há dois milênios uma corrente de encontros comunica o fascínio da aventura cristã. Comunicar esperança e amor nestes tempos complexos é o desafio de todos os batizados. Amor e esperança também se transmite com o olhar. Se devemos neste tempo cobrir o rosto com uma máscara, permitamos ser contagiados pelo desejo de nos olharmos nos olhos!

Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da CNBB