Artigos, Bispos › 28/07/2021

Padres e diáconos permanentes

Nossa Diocese de Cruz Alta têm a alegria de viver mais um Ano Vocacional Diocesano. Em 2020, por causa da pandemia, não pudemos fazer tanto. Hoje, com certeza, podemos fazer mais. Vale dizer que neste ano ordenamos para o diaconato transitório dois novos seminaristas e um padre. Isto, para nós, é motivo de muita glória e louvor, visto que fazia muito tempo que isto não acontecia. Também, é motivo de alegria grande a ordenação dos nove diáconos permanentes. Eles são uma bênção para a Igreja, para a evangelização. Já foram ordenados seis deles e outros três ainda faltam ser ordenados. Por eles todos, Deus seja louvado!

Todas as realidades da vida devem ter um caminho de resposta ao Senhor que tem um projeto grande para nós. Fazer ressoar mais uma vez o chamado à santidade, procurando encarná-lo no contexto atual, com seus riscos, desafios e oportunidades. Mas pede para “voltar a lançar as redes” e propor aos jovens a vocação especial. Podemos ousar, ter a coragem de dizer a cada jovem que se interrogue sobre a possibilidade de seguir este caminho. De fato, a resposta ao seguimento de Cristo é uma forma clara de viver o discipulado e, após isto, perguntar-se sobre o porquê de uma vocação mais oportuna para a Igreja. Afinal, o que faz um jovem se perguntar sobre seu caminho para um dia ser padre, entregando toda sua vida a Ele? Ou, o que faz com que um senhor, com mais idade, a se perguntar sobre a possibilidade de dar sua vida, junto com sua esposa, seus filhos, seu trabalho, sua vida de comunhão com a Diocese, num caminho de entrega ao Senhor? De fato, tem algo maior, muito maior, que nos contagia e nos segue. O belo da vida do diácono e do padre vão bem além do que podemos perceber, estão na vida e no coração de quem o vive.

Queria recordar aqui uma palavra do Papa Francisco, já tantas ditas, sobre o sentido do padre e do diácono permanente como um pastor. O Papa, em uma homilia proferida de forma espontânea, no dia vinte e cinco de abril deste ano, domingo do Bom Pastor, convidou os novos sacerdotes a serem pastores, como o Senhor, “é isso o que ele quer de vocês: pastores. Pastores do Santo povo fiel de Deus. Pastores que vão com o povo de Deus: às vezes na frente, no meio, atrás do rebanho, mas sempre ali, com o povo de Deus” (Homilia, 25 de abril de 2021). “Isto não é uma carreira: é um serviço, um serviço como o mesmo que Deus fez ao seu povo” (Francisco, Homilia).Os padres se detém em particular nas quatro declinações de proximidade: com Deus, na oração, nos Sacramentos, na Missa (cf. Francisco).Falar com o Senhor, estar próximo do Senhor. Recorda que o Senhor se fez próximo de nós em seu Filho. E que esteve próximo no caminho de discernimento vocacional dos ordenandos, mesmo nos maus momentos do pecado: ele estava lá. Proximidade. Estejam próximos do santo povo fiel de Deus, mas antes de tudo perto de Deus, com a oração (cf. Francisco, Homilia). “Um sacerdote que não reza lentamente apaga o fogo do Espírito em seu interior” (Francisco, Homilia).

Já temos um bom grupo de pessoas das Equipes Vocacionais Paroquias, aos quais temos um grande desafio, de incentivar e discernir o caminho dos vocacionados ao sacerdócio e ao diaconato permanente. “Portanto, considerem-nos os homens como servidores de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. Ora, o que se requer dos administradores, é que cada um seja fiel” (1Cor 4,1.2), diz São Paulo.

Parabéns aos padres e aos diáconos permanentes!

Dom Adelar Baruffi – Bispo Diocesano de Cruz Alta