Artigos, Bispos › 13/03/2020

Querida Amazônia

A tão aguardada Exortação Apostólica Pós-Sinodal do Papa Francisco “Querida Amazônia”, foi publicada no dia doze de fevereiro 2020. Foi escrita por quem tem um coração de pastor e ama a Amazônia e o que ela representa para os países amazônicos e para nosso planeta.

O Papa com objetividade aborda os graves problemas sociais da Amazônia. Reconhece nos povos originários e nos indígenas as imensas riquezas culturais, inclusive a característica de grande comunhão com a natureza, doada por Deus. E, neste campo, faz votos de que a Amazônia se torne um lugar de diálogo social, antes de tudo com os últimos e os mais pobres. Denuncia a devastação ambiental da região, a corrupção e o perigo dum novo colonialismo.

O sonho cultural do Papa e da Igreja, propõe cuidar das raízes de nosso ambiente humano, esclarecendo que promover a Amazônia não significa colonizá-la culturalmente ou padronizar as culturas. O Papa recomenda que é preciso assumir a perspectiva do direito dos povos, sendo que todos serão prejudicados se o ambiente de origem se deteriora.

Para o Papa Francisco, cuidar dos irmãos como o Senhor cuida de nós, é a primeira ecologia que necessitamos. A solução nunca será na internacionalização da Amazônia, mas no crescimento da responsabilidade dos governos nacionais.

Em sua Exortação Apostólica o Papa Francisco abre o horizonte de seus sonhos para o desenvolvimento de uma Igreja com rosto amazônico. É seu sonho eclesial, que aponta para um grande anúncio missionário, indispensável para a Amazônia. Não é suficiente, diz o Papa, levar uma mensagem social, pois todos os povos têm o direito ao anúncio do Evangelho. Lembra o tema da inculturação, ensinando que esta inculturação deve ter, ao mesmo tempo, uma dimensão social e outra espiritual.

O Papa Francisco não deixou de falar da beleza do Rio Amazonas, usando a poética expressão “um sonho feito de água”, como uma grande artéria que concentra e simboliza toda a nossa realidade.

Por fim, o Papa valoriza a presença da Igreja, dos sacerdotes, dos religiosos, do laicato na evangelização e das mulheres. Encoraja o surgimento de novos serviços femininos, a modo de Maria e de sua ternura.

A Exortação “Querida Amazônia” se conclui com uma belíssima oração à Mãe da Amazônia, Maria, Mãe de Jesus e Rainha de toda a criação.

Dom Hélio Adelar Rubert  – Arcebispo de Santa Maria