Artigos, Bispos › 12/09/2022

Revigorados na fé, pela Palavra de Deus

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! As celebrações do “Mês da Bíblia” deste ano destacam o livro bíblico de Josué, com o versículo: “O Senhor, teu Deus, estará contigo por onde quer que vás” (Js 1,9).

A Bíblia, este livro sagrado que contém a Palavra de Deus, está presente na maioria dos lares cristãos. Mas não basta tê-la presente em nosso lar. Como cristãos, precisamos tomar contato com a Palavra de Deus, através da leitura, da escuta e da meditação, para que ela oriente a nossa caminhada de fé, deixando que ela oriente os nossos passos e as escolhas que fazemos diariamente, como peregrinos neste mundo. Através da leitura, da escuta e da meditação da Palavra de Deus, o Senhor nos dá a força para segui-lo, com entusiasmo e generosidade.

A palavra de Deus expressa pela boca dos profetas é como uma espada, e é eficaz como o fogo. Tanto é que São Paulo a chama “espada do Espírito” (Ef 6,17), pela sua capacidade de tocar o nosso coração. Mas, no cotidiano da vida, corremos o risco de não dar espaço para meditarmos a Palavra de Deus, deixando que ela alimente e revigore a nossa casa interior, isto é, a nossa alma. O poder fazer silêncio, para meditar, é importante para aprofundarmos o nosso diálogo com Deus. Porque a meditação nos permite, através da fé, sentir a presença paterna e materna de Deus em nossa vida. Esse processo se inicia com a leitura e a escuta da Palavra de Deus, e toca a nossa vida espiritual quando deixamos que esta Palavra fale aos nossos ouvidos, mas também ao nosso coração.

Empenhados no cotidiano da vida, podemos achar que a meditação não pode fazer parte da nossa vida, já tão ocupada com tantas outras coisas. Mas o Senhor Jesus, que conhecia os corações dos que iam ao seu encontro, disse: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e entendidos, e as revelastes aos pequeninos” (Mt 11,25).

A leitura, a escuta e a meditação são partes importantes para criarmos intimidade com a Palavra de Deus e aprofundarmos o nosso diálogo com o Senhor. Pois a leitura sem meditação é árida, a meditação sem leitura está sujeita a erros, a oração sem a meditação é morna, a meditação sem a oração é infrutuosa, mas a oração feita com devoção adquire a contemplação. Que em nossa peregrinação para a casa do Pai, possamos ter sempre o coração aberto e disponível para ler, escutar, acolher e meditar a Palavra de Deus, presente nas Sagradas Escrituras.

Dom José Gislon, OFMCap. – Bispo Diocesano de Caxias do Sul