WEBMAIL

São José Trabalhador

Dia Primeiro de Maio comemora-se o dia do Trabalhador, nesta data, a Igreja celebra a Festa de São José Operário.  O santo Pai legítimo de Jesus tem duas datas para ser recordado no calendário. Seu dia é 19 de março. Mas o primeiro de maio associa esse importante guardião do Redentor ao seu trabalho: carpinteiro.  Possivelmente, essa profissão ele herdou do pai, uma vez que era costume da época o pai transmitir a profissão ao filho.

Ele foi carpinteiro em um lugarejo nas montanhas onde moravam os lavradores humildes, com casas pobres e simples. Assim, teve que se adaptar produzindo objetos rústicos e com técnica limitada. O carpinteiro, no tempo de Jesus, era aquele operário que sabia fazer de tudo com a madeira. Era uma profissão apreciada pelo povo.

Sendo que a profissão era transmitida de pai para filho, provavelmente Jesus também foi carpinteiro em virtude da herança recebida de seu pai. Jesus deve ser compreendido no contexto cultural da época, portanto, em perfeita sintonia com a realidade familiar na qual vivia até mesmo no quesito “profissão”. O Papa Francisco, em sua Encíclica Coração de Pai – Patris Corde, escreveu:  São José era um carpinteiro que trabalhou honestamente para garantir o sustento da sua família. Com ele, Jesus aprendeu o valor, a dignidade e a alegria do que significa comer o pão fruto do próprio trabalho.

Neste nosso tempo, em que o trabalho parece ter voltado a constituir uma urgente questão social e o desemprego atinge por vezes níveis impressionantes, é necessário tomar renovada consciência do significado do trabalho que dignifica.

Uma família onde falte o trabalho está mais exposta a dificuldades, tensões, fraturas e até mesmo à desesperadora tentação da dissolução.

Neste primeiro de maio recorramos a São José Operário para que possamos nos comprometer para dizer: nenhum jovem, nenhuma pessoa e nenhuma família sem trabalho!

O trabalho é uma chave determinante da questão social. Nesse sentido, a oração que Jesus ensinou recorda essa dimensão da vida humana ao suplicar: o pão nosso, garantido pelo trabalho cotidiano, nos daí hoje.

Dom Leomar Antônio Brustolin – Arcebispo Metropolitano de Santa Maria