Artigos, Bispos › 26/05/2022

Solenidade da Ascensão do Senhor e 56º Dia Mundial das Comunicações Sociais

Minha saudação a todos os que acompanham Voz da Diocese nesta Solenidade da Ascensão do Senhor e o 56º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Somos chamados a contemplar Jesus assentado à direita do Pai e, como seus discípulos, a sermos suas testemunhas na Igreja e no Mundo.

Caros irmãos e irmãs. A liturgia nos mostra que Jesus, depois de sua ressurreição apareceu aos Apóstolos falando-lhes do Reino e confortando-os com a promessa do Espírito Santo. Depois, despedindo-se, elevou-se à vista deles (cf. At.1,9). No Evangelho, a cena é descrita também por São Lucas, e traz consigo uma dimensão missionária, de envio dos discípulos: “Vós sereis testemunhas de tudo isso” (Lc. 24,48) e “enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi elevado para o céu” (Lc 24,51). São Paulo, na Segunda Leitura exorta a comunidade de Éfeso para abrir os corações ao acolhimento das graças “daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos e o fez sentar-se à sua direita nos céus” (cf. Ef. 1,20). A Solenidade da Ascensão de Jesus, portanto, revela as últimas instruções de Jesus aos seus apóstolos e apresenta a sua glorificação no céu, “sentado á direita de Deus Pai”. Também convida-nos a seremos suas testemunhas diante dos homens, enviados em missão e iluminados pelo Espírito Santo Prometido.

Prezados irmãos e irmãs. Junto a esta Solenidade da Ascensão do Senhor, celebramos também o 56º Dia Mundial das Comunicações Sociais, cujo tema proposto pelo Papa Francisco é “Escutar”. “Escutar com o ouvido do coração”. Acentua o papa a importância de “escutar” para que haja um “autêntico diálogo”. Apresentamos alguns destaques desta mensagem.

O papa diz: “Estamos a perder a capacidade de ouvir a pessoa que temos à nossa frente, tanto na teia normal das relações quotidianas como nos debates sobre os assuntos mais importantes da convivência civil”. E prossegue o papa: “Apesar de frequentemente oculto, (ser ouvido) é um desejo que interpela toda a pessoa chamada a ser educadora, formadora, ou que desempenhe de algum modo o papel de comunicador; os pais e os professores, os pastores e os agentes pastorais, os operadores da informação e quantos prestam um serviço social ou político”.

É preciso “escutar com o ouvido do coração”, afirma o papa. “A escuta corresponde ao estilo humilde de Deus. Ela permite a Deus revelar-Se como aquele que, falando, cria o homem à sua imagem e, ouvindo-o, reconhece-o como seu interlocutor. Deus ama o homem: por isso lhe dirige a Palavra, por isso <inclina o ouvido> para escutá-lo”. A mensagem ainda fala dos desafios desta escuta nas relações interpessoais e o fechamento “dos ouvidos” aos outros, cada vez mais frequente na sociedade de hoje.

“A escuta é condição da boa comunicação” acentua o papa. “A escuta é o primeiro e indispensável ingrediente do diálogo e da boa comunicação. Não se comunica se primeiro não se escutou, nem se faz bom jornalismo sem a capacidade de escutar”.

“Também na Igreja há grande necessidade de escutar e de nos escutarmos, É o dom mais precioso e profundo que podemos oferecer aos outros. [..] Devemos escutar através do ouvido de Deus, se queremos poder falar através de sua Palavra”.

Escutar é muito importante para nossa ação na Igreja, afirma o papa. “Na ação pastoral, a obra mais importante é o <apostolado do ouvido>. Devemos escutar, antes de falar, como exorta o Apóstolo Tiago: <<cada um seja pronto para ouvir, lento para falar>> (Tg 1,19). Oferecer gratuitamente um pouco do próprio tempo para escutar as pessoas é o primeiro gesto de caridade”. Precisamos aprender e aprofundar a prática deste dom.

Caríssimos. A Mensagem deste Dia Mundial das Comunicações Sociais, unida a mensagem da Ascensão do Senhor indica-nos o caminho da vivência fraterna e nos impulsiona na missão deixada por Jesus de sermos suas testemunhas e comunicadores da verdade que conduz ao encontro da graça oferecida por Ele. Que “escutando com o ouvido do coração” aproximemo-nos mais de Deus e dos irmãos e irmãs.

Deus abençoe a todos e um bom domingo.

Dom Adimir Antonio Mazali – Bispo Diocesano de Erexim