Artigos, Bispos › 20/08/2020

Tu és o Filho de Deus vivo

No Evangelho deste Domingo (Mateus 16,13-20), São Mateus conta-nos como Jesus interrogou os Apóstolos: “E vós quem dizeis que Eu sou?”. É uma pergunta direta sobre a sua fé. E vemos a resposta pronta e decidida de Pedro: “Tu és o Messias o Filho de Deus vivo”.  Jesus louva a fé de Pedro e lembra-lhe que ela é um dom de Deus. Neste Domingo, somos convidados a imitar o Apóstolo e pedir a Jesus que nos dê uma fé grande e clara que marque todas as atitudes da nossa vida. Fé em Jesus Cristo e fé na Igreja.

No Credo dizemos: Creio na Igreja Una, Santa, Católica, e Apostólica. Jesus fundou a sua Igreja para continuar no mundo a obra da salvação dos homens. Quis que ela tivesse estas quatro notas: Una, Santa, Católica, e Apostólica. Estão interligadas.

É Una na fé. Todos nós professamos as mesmas verdades recebidas de Cristo. Temos os mesmos Sacramentos que não foram inventados pelos homens. Estamos unidos pela caridade e apoiamo-nos mutuamente. E obedecemos ao Sucessor de Pedro, pastor de toda a Igreja.

É Santa. Tem os meios para nos fazer santos. É formada por santos. Os pecadores que nela existem são também eles chamados à santidade, através da graça da conversão. Tem nela a fonte da santidade que é o próprio Jesus, é guiada pelo Espírito Santo que a santifica.

É Católica, para todos os homens, de todas as raças e nações, de todas as línguas e culturas, de todos os tempos..

É Apostólica, está apoiada sobre os Apóstolos, que Jesus escolheu e pôs à sua frente para governá-la, ensinar e santificar.

Jesus disse a Pedro: “Tu és Pedro (pedra) e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. Jesus faz dele a pedra da Unidade na Igreja. E dá-lhe poderes muito grandes: “eu te darei as chaves do Reino dos céus E tudo o que ligares na terra será ligado nos céus e tudo o que desligares na terra será desligado nos Céus”. Depois da Ressurreição o Senhor confirmou esses poderes, dizendo: “apascenta as minhas ovelhas apascenta os meus cordeiros”. Pedro seria pastor de todo o rebanho de Cristo, dos fiéis e de todos os pastores.

O papa, sucessor de Pedro herdou esses poderes e a mesma missão ao serviço de toda a Igreja. Obedecemos ao Santo Padre, vendo nele o Cristo. Havemos de rezar por ele. O Senhor fala das portas do inferno, dos ataques do demônio contra a Igreja e contra os que estão à sua frente. Já os primeiros cristãos rezavam insistentemente por Pedro, que Herodes tinha mandado prender para matá-lo. O Senhor enviou um anjo a libertá-lo da prisão. Pedro e os seus sucessores teriam a missão de garantir a Unidade na Igreja, como a pedra do alicerce garante que a casa se mantém unida e não se desmorona.

Nós, cristãos de hoje, estamos unidos a ele não só pela oração, mas também escutando o que nos diz e obedecendo ao que nos manda em nome de Jesus.

Jesus deixou uma garantia a Pedro e a todos cristãos: as portas do inferno não prevalecerão contra ela. O demônio fará tudo para destruir a Igreja como vemos ao contemplar a história da Igreja. As palavras de Jesus garantem que a Igreja se manterá firme na fé. O demônio pai da mentira não conseguirá desviá-la da verdade.

Dom Antônio Carlos Rossi Keller – Bispo de Frederico Westphalen