Notícias › 03/07/2020

Vídeo marca 40 anos da visita do Papa São João Paulo II a Porto Alegre

No dia 4 de julho de 2020, a Arquidiocese de Porto Alegre lançou um minidocumentário em celebração a chegada de São João Paulo II a Porto Alegre, um dos destinos de sua viagem apostólica ao Brasil. Primeiro Papa a pisar em solo brasileiro e gaúcho, São João Paulo II foi recebido no Aeroporto Salgado Filho por autoridades políticas e eclesiásticas, que o acompanharam até a Praça da Matriz, onde em um palanque em frente à Catedral Metropolitana fez seu primeiro pronunciamento, para um público de aproximadamente 50 mil pessoas. O vídeo, com imagens de arquivo CEDOC RBS TV e fotografias do Arquivo da Arquidiocese, será lançado neste sábado, 4 de julho, às 17h35 (hora que o Papa aterrissou em solo gaúcho) no site e redes sociais da Arquidiocese, acompanhado de fotos, informações e depoimentos. O objetivo é relembrar – através de imagens inéditas – esse importante momento, quando Porto Alegre recebeu, pela primeira e única vez, a visita de um Papa (hoje, Santo).

Conhecido e admirado por seu carisma e humildade, o vídeo destaca o homem do povo que, apesar da visita ter durado apenas 22h, deixou sua marca na passagem pela capital gaúcha. O frio não foi problema nem para o povo, nem para o Papa, que pronunciou a célebre frase: “Me diziam ontem que o clima aqui em Porto Alegre é muito frio. Eu sinto o contrário, um grande calor”. E o famoso questionamento proferido pelo pontífice: “o Papa é gaúcho?”. A alegria e o entusiasmo acompanharam as 22 horas que o Santo homem esteve entre os gaúchos.

Antes de recolher-se ao seu aposento na Cúria Metropolitana, o mais simples de toda sua estadia no Brasil, o Papa participou de dois encontros fechados, um com autoridades políticas, onde recebeu o título de cidadão porto-alegrense, das mãos do prefeito e do presidente da Câmara de Vereadores. E outro, um encontro ecumênico, reunindo dirigentes de igrejas cristãs e representantes da comunidade judaica. Mesmo cansado, após dias de longas viagens que atravessaram o país, após o jantar, ainda sobrou tempo para fazer orações na capela da Cúria e preparar-se para o dia seguinte, o mais esperado pelo povo gaúcho.

Às 9h da manhã, no dia 5 de julho de 1980, o Papa chega para  a missa campal, onde cerca de 300 mil pessoas o receberam, e testemunharam uma linda celebração, cheia de emoção  e alegria. No final daquela manhã, o povo acompanhou a passagem do Papa da rótula da José de Alencar até o Gigantinho. Do papa móvel, São João Paulo II acenou incansável para todos os milhares de fiéis e espectadores que aguardavam sua passagem pelas ruas.

O chimarrão

Ao chegar no Gigantinho, foi recebido com uma saudação especial e a presença de 200 cavaleiros e sete grupos de
danças tradicionalistas. Os gaúchos nunca se esquecerão do momento em que o Sumo Pontífice, com seu
carisma e humildade aceitou o chimarrão e o chapéu oferecido por Paixão Côrtes e Pedro Borghetti. O encontro no
Gigantinho, com 10 mil religiosos, foi, segundo as próprias palavras do Papa, um dos mais importantes de sua visita ao Brasil, pois teve como objetivo despertar vocações e falar diretamente para seus formadores.

Ainda, ao final do encontro, 18 mulheres argentinas conseguiram encontrar-se por alguns minutos com o Papa. Elas vieram pedir ajudar para o movimento “Las Madres de la Plaza de Mayo”, grupo que perdeu seus filhos para a ditadura militar que assolou o país vizinho.

Às 15h, São João Paulo II partiu da Cúria para o aeroporto, desta vez num trajeto feito de ônibus, junto com sua comitiva. No aeroporto, centenas de pessoas o aguardavam para despedir-se.

O carisma do Papa se refletiu em pequenos gestos durante toda sua estada em Porto Alegre, o que fez o pontífice sair do protocolo em diversos momentos, e mostrou porque ele foi um homem do povo.

Fonte: Arquidiocese de Porto Alegre