Artigos, Bispos › 10/12/2021

Viver na alegria e com esperança

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus! A vida é uma peregrinação, na qual passamos por muitos caminhos e temos a liberdade de fazer escolhas. Nessa peregrinação nos deparamos com muitas realidades que tocam a nossa vida e, às vezes, nos ferem no corpo e na alma. Os cristãos são motivados a fazerem essa peregrinação da vida com alegria, porque Jesus veio aliviar as nossas misérias e nos fazer filhos de Deus.

Para que a alegria do Natal que iremos celebrar não seja efêmera, a nossa preparação deve acontecer no deserto, não naquele geográfico, mas no nosso coração, onde existem as misérias que nos ferem e podem ferir também a vida dos nossos irmãos e irmãs. Podemos sonhar e imaginar o deserto como um lugar distante, mas o deserto onde a vida e a sua dignidade podem ser colocadas à prova está perto de nós, nas realidades que, muitas vezes, fazemos de conta que não existem.

Apesar disso, com a nossa participação o deserto pode florir, dando nova vida para nós mesmos e para àqueles que vivem no abandono ou à margem da sociedade. Neste 3º Domingo do Advento, ressoam palavras de esperança, através da Palavra de Deus, que nos motivam a continuar a nossa peregrinação como Povo de Deus a caminho da casa do Pai: Coragem! Não temais! A renovação virá de Deus e acontecerá também na nossa vida, se nos deixarmos transformar por Ele. A palavra de Deus tem o poder de curar e mudar o coração do homem para mudar o mundo, para fazer florescer o deserto.

Jesus veio nos trazer a salvação. Da culpa, nos levou à amizade com Deus; da morte, nos garantiu a ressurreição; do desespero de uma vida sem sentido, nos mostrou que ela é um dom de Deus e que devemos vivê-la para nós e para os irmãos mais necessitados; aos pobres anunciou serem eles os prediletos de Deus. Com Jesus começou um mundo novo: aquilo que para o homem era impossível pode ser feito por Deus. Ao redor de Jesus começa a surgir uma comunidade de homens e mulheres novos, capazes de crer, esperar e amar: esses encontram um renovado vigor para viver a vida, dom de Deus.

Nós somos os continuadores daquela comunidade nova, que começou a nascer ao redor de Jesus. Por isso, é importante que o amor e a fé, alimentem a nossa esperança. Que as nossas comunidades possam nutrir-se da escuta da Palavra de Deus, da oração, da caridade e da solidariedade entre seus membros e entre as comunidades. Quando rezamos: “Venha o teu reino”, invocamos uma palavra de esperança, maior que todos os nossos desesperos; reconhecemos uma presença vital, que fecunda a esterilidade da história. Nasce, desta forma, um empenho para trabalhar com cada pessoa de boa vontade na mudança da realidade em que vivemos, para que todos tenham dignidade de vida.

Dom José Gislon, OFMCap. – Bispo Diocesano de Caxias do Sul