Artigos, Bispos › 06/05/2020

Pandemia do Coronavírus

Hoje gostaria de saudar de forma especial os presbíteros, diáconos, consagrados/as e lideranças leigas de nossas comunidades. Somos servidores do povo de Deus, também neste momento difícil da história em que o Covid 19 está exigindo de nós muito bom senso, sabedoria e paz interior para cuidar de todos.

Vivemos um período que exige de nós, acima de tudo, uma atitude orante: nosso viver depende sempre do Deus da Vida, com ou sem coronavírus. E não nos colocaremos a pregar que o momento é de abandono ou castigo divino. Portanto é hora de profunda comunhão com Deus pela fé e de solidariedade com os irmãos para que nossas atitudes sejam sábias, proféticas e permeadas pelo diálogo fraterno. O povo de nossas comunidades precisa sentir que, no momento em que a cruz mais pesa, Deus se faz presente; e que nós somos solidários, por motivos humanos e pela fé concretizada pelo amor (cf. Gl 5,6). Aos sacerdotes, recomendamos que celebrem com frequência, mesmo sem presença plena da comunidade, pois ao celebrar sempre estamos em comunhão com o povo de Deus, mesmo que as portas dos templos estejam fechadas. Neste momento é bom trazer presente o que rezamos em todas as celebrações eucarísticas, no momento da apresentação das oferendas: “Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para a glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja”. O Papa Francisco nos dá notável testemunho e orienta com sabedoria: “Que o povo de Deus se sinta acompanhado pelos pastores e pelo conforto da Palavra de Deus, dos sacramentos e da oração”. Contamos também com a oração do povo de nossas comunidades para que tomemos decisões sábias, de autênticos pastores. Prestemos, portanto, nosso serviço pastoral possível, neste momento, e o façamos com amor e confiança, de forma criativa para alimentar nossa fé e de nossos fiéis. De nenhuma forma podemos permitir que os fiéis experimentem a sensação de abandono de seus pastores, sobretudo na situação de sofrimento que pode visitar pessoas e suas famílias.

Recomendamos novamente o incentivo a orações em casa (família), de modo especial ao redor da Palavra de Deus, tão ricamente proposta neste tempo pascal. Louvamos as iniciativas de reflexão e oração em torno da Sagrada Escritura, que diversos irmãos nossos realizam através de vídeos e de outras formas transmissivas. Certamente vale mais celebrar, mesmo se em casa, do que simplesmente assistir celebrações, sem negar que estas também possam trazer frutos espirituais. Usemos igualmente nossos roteiros que valorizam a Bíblia e a Leitura Orante.

É motivo de especial alegria que, junto às ajudas normais aos pobres, realizadas através do setor de assistência social da diocese, irmãos nossos prestam fraterno serviço aos necessitados de nossas comunidades, ante as consequências da pandemia. A diocese está oferecendo também material para mais de 10 mil máscaras, confeccionadas por voluntários, a serem entregues para hospitais, geriatrias e outros necessitados, além de estimular a todos para criativas iniciativas de caridade, sobretudo a nível local.

Para concluir, recomendo orações e apoio aos que mais se expõem, como os profissionais de saúde e dos que cuidam de nossas necessidades básicas da vida diária; pelos que sofrem nos hospitais ou em casa e pelos que partem para a vida eterna. Nesta situação de pandemia, façamos os sacrifícios necessários, sempre por amor à vida, precioso dom e compromisso que Deus nos deu. O Senhor da Vida proteja nossa saúde de corpo e de espírito.

Dom Aloísio Alberto Dilli – Bispo de Santa Cruz do Sul